Imprimir Compartilhe









Comunicar Erro









 
 
 
ÁRVORE DO CONHECIMENTO Arroz      Equipe editorial Ajuda

Transporte, recepção, pré-limpeza e secagem

Autor(es): Eduardo da Costa Eifert ; Moacir Cardoso Elias ; Daniel Fernandez Franco

 

 

Para atender as necessidades dos consumidores, uma série de requisitos de qualidade são exigidos. As operações pós-colheita do arroz, como transporte, recepção, pré-limpeza e secagem, consistem em operações que possibilitam um adequado armazenamento.

Transporte

O arroz colhido deve ser transportado para a Unidade de Beneficiamento em caminhões (Figura 1), carretas ou outro meio de transporte, como por exemplo a própria colhedora, no tempo mais rápido possível, pois o arroz é colhido com umidade entre 18 a 23%. No transporte a granel, deve-se checar se não há buracos na carroceria para evitar perdas por vazamento ou derramamento e  a carga deve ser coberta com lonas, para protegê-la de chuvas e da ação dos ventos. A exposição prolongada do arroz abafado sob a lona ao sol pode favorecer a ocorrência de fermentação e perdas antes do produto ser submetido à unidade de secagem. É aconselhado não se misturar cultivares na mesma carga, pois pode alterar o valor de mercado do arroz devido à heterogeneidade de cocção das cultivares.

Foto: Lauro Mota
Figura 1. Carregamento de arroz.

Recepção

Ao chegar à Unidade de Armazenagem e Beneficiamento, é feita a pesagem, a identificação da carga e a coleta de amostras para a avaliação de sua qualidade inicial, com a determinação da umidade, impurezas e matérias estranhas, defeitos e rendimento de grãos inteiros.  O arroz deve ser submetido à secagem tão logo se realize a colheita ou, no máximo, até 24 horas após. Não sendo possível, é importante pré-limpar, aerar e/ou pré-secar o arroz.

Pré-limpeza

O arroz é descarregado na moega (Figura 2) e, antes de ser submetido à secagem, a pré-limpeza é realizada para remover as impurezas e materiais estranhos, de dimensões, formas e densidades muito diferentes daquelas características dos grãos, como torrões, insetos, folhas verdes, palhas e sementes de plantas daninhas ou de outras espécies que dificultam as operações subsequentes. Quando bem feita, essa operação propicia aumento na eficiência dos processos de secagem, com redução de custos e melhor classificação do produto. Na pré-limpeza são utilizadas máquinas de ar e peneiras (Figura 3), as quais possuem duas peneiras planas sobrepostas, com perfurações próprias para cada produto.

Foto: Sebastião Araújo
 Foto: Sebastião Araújo

Figura 2. Moega de recepção do secador.
Figura 3. Máquina de pré-limpeza.

Secagem

Uma vez finalizada a pré-limpeza, deve-se proceder a secagem dos grãos e/ou sementes que pode ser feita por vários métodos, desde o natural (Figura 4) e os naturais melhorados, até a secagem forçada, a qual inclui as estacionárias, onde apenas o ar se movimenta durante a operação, e as convencionais, onde são movimentados ar e grãos durante a secagem.

Foto: Jaime Roberto Fonseca

Figura 4. Secagem natural (utilização da energia solar).

A secagem artificial do arroz, forçada ou mecânica, é amplamente utilizada. Os métodos de secagem artificial empregam combinações de temperatura e fluxo de ar, tempos e formas de movimentação dos grãos e de contato ar-grão.

Os principais danos causados aos grãos de arroz durante a secagem com ar aquecido são trincamento, formação de crosta periférica, alteração de coloração, desestruturação do amido e morte do próprio grão, que provocam reduções no rendimento industrial e no valor comercial.     

Os grãos de arroz são sensíveis aos choques térmicos, por isso a alternância do emprego de ar aquecido e ar ambiente aumenta o número de grãos trincados.
A secagem estacionária é caracterizada pela não movimentação dos grãos, que, colocados nos silos-secadores, sofrem a ação do ar, aquecido ou não, o qual é movimentado mecanicamente em fluxos axial ou radial. Esse fluxo é em direção do eixo principal, que corresponde à altura, em direção vertical a partir do fundo do silo-secador, ou do raio, lateral em direção horizontal a partir de um tubo central perfurado, respectivamente.
 
A secagem estacionária de arroz pode ser feita com ar forçado, à temperatura de até 45°C, para camadas não superiores a 1,0 m.  
 
Para a secagem intermitente, são utilizados os secadores intermitentes, e a operação ocorre com movimentação dos grãos e do ar de secagem, que mantém períodos alternados de contato e de isolamento. Em sementes, a temperatura do ar não deve ultrapassar 45ºC e a da massa de semente 40ºC, dentro do secador.
O sistema de secagem intermitente exige maiores investimentos para a instalação e o uso de tecnologia mais sofisticada do que o estacionário, porém com resultados que podem ser bastante compensadores em grãos dotados de certa resistência a danos mecânicos e sensíveis a danos e choques térmicos, como os de arroz.
 
A secagem contínua faz uso dos chamados secadores contínuos, que constam de estrutura com pelo menos duas câmaras, uma de secagem propriamente dita e uma de arrefecimento, e pode haver uma outra, intermediária, neutra, colocada entre as duas. Nesse sistema, os grãos ingressam úmidos, mantêm contato com o ar aquecido na primeira câmara, perdem água e se aquecem. Ao passarem pela segunda câmara, entram em contato com ar à temperatura ambiente, quando são resfriados.
Antes da etapa final estacionária em silo-secador, a seca-aeração utiliza um secador convencional contínuo adaptado, em que a câmara originalmente destinada ao resfriamento recebe ar aquecido e se transforma numa segunda câmara de secagem. Daí os grãos saem ainda quentes e parcialmente secos e vão diretamente a um secador estacionário, onde permanecem em repouso durante um determinado tempo.


Veja também
Tenha a Agência
EMBRAPA de Informação
Tecnológica no seu site!

Refine sua pesquisa usando a
BUSCA AVANÇADA.

  Hiperbólica
  Hipertexto
  Links

Pasta de documentos

Saiba Mais
Agência Embrapa de Informação Tecnológica
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA
Todos os direitos reservados, conforme Lei no. 9.610.
EMBRAPA - Parque Estação Biológica - PqEB s/n°.
Brasília, DF - Brasil - CEP 70770-901 | SAC
Fone: (61) 3448-4433 - Fax: (61) 3347-1041