Link para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
Link para o Portal do Governo Brasileiro

 

Espaçamento e densidade

Autor(es):  Marcelo Bezerra Lima Élio José Alves

  Buscar  

 

   Busca Avançada

A opção por determinado espaçamento está relacionada a:

  • Porte da variedade.
  • Fertilidade do solo.
  • Sistema de desbaste.
  • Destino da produção.
  • Nível tecnológico do cultivo.
  • Topografia do terreno.
Considerando esses fatores, os espaçamentos nas diferentes regiões produtoras do Mundo variam de 2 m2 a 27 m2 por planta. Nos espaçamentos maiores há uma tendência à redução do ciclo da bananeira, com alteração na época de colheita. Nesses espaçamentos recomenda-se, logo no primeiro ano, o estabelecimento de sistemas de cultivo associado ou intercalado, os quais têm comprovado a sua eficiência e rentabilidade. Nos espaçamentos menores, devido à maior densidade de plantio, os ciclos geralmente se alongam e exigem a redução da população após a colheita da primeira safra.

Plantios em altas densidades apresentam maiores rendimentos por unidade de área, sem afetar a qualidade da colheita, o que compensa o aumento do ciclo da cultura. Essa modalidade de plantio determina que o seu manejo passe a ser como o de uma cultura anual, uma vez que, efetuada a colheita, deve-se eliminar toda a plantação.

Nas maiores densidades a produção pode chegar a 28,7 T/ha (entre 5.000 e 3.332 plantas/hectare), enquanto que nas menores densidades é de 17,4 T/ha (1.666 plantas/hectare).

A implantação do bananal em fileiras duplas, separadas por intervalos maiores, apresenta as seguintes vantagens:

  • Maior facilidade para inspeção e vigilância do bananal;
  • Maior facilidade para executar os tratamentos fitossanitários, não provocando grandes estragos nas folhas das bananeiras;
  • Viabilização de consórcio com culturas anuais por períodos mais longos;
  • Prolongar os efeitos da mecanização do cultivo.

Em cultivos comerciais, os espaçamentos mais utilizados no Brasil são:

  • 2,0 x 2,0 m a 2,0 x 2,5 m para as variedades de porte baixo a médio (Nanica, Nanicão, Grande Naine);
  • 3,0 x 2,0 m a 3,0 x 2,5 m para as variedades de porte semi-alto (Maçã, D’Angola, Terrinha, Figo);
  • 3,0 x 3,0 m a 3,0 x 4,0 m para as variedades de porte alto (Terra, Comprida, Maranhão, Prata, Pacovan).

As disposições mais comuns dos espaçamentos seguem traçados em quadrado, retângulo, triângulo, hexágono e em fileiras duplas (Fig. 1).

Sistemas de espaçamento para bananeira

Na determinação da densidade de plantio de um cultivo de banana ou plátano é necessário considerar o porte da variedade, a fertilidade do solo, a variação sazonal dos preços, a disponibilidade de mão-de-obra, a possibilidade de mecanização, a freqüência e velocidade dos ventos, a topografia e a sistematização do terreno, o sistema de produção, o manejo da fruta e o sistema de comercialização.

Na medida em que se aumenta a densidade populacional também se reduz, de forma bastante marcante, a vida útil do bananal, juntamente com o seu rendimento. Em conseqüência, a vida útil do bananal é inversamente proporcional à sua densidade.

Fig. 1.Mudas por cova em plantios em altas densidades.
Foto: Janay Almeida Santos-Serejo/Marcelo Bezerra Lima

A cova deve ser de 30 x 30 cm ou de 40 x 40 cm (largura x comprimento). A profundidade varia com a altura da muda e com o número de mudas por cova. As mudas devem ser o mais uniformes possíveis

  Hiperbólica
 

Pasta de documentos
Adicionar
Visualizar

  Informes
Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical
Topo | Página Inicial | Voltar
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa
Todos os direitos reservados, conforme Lei n° 9.610.
Embrapa
Parque Estação Biológica - PqEB s/n°.
Brasília, DF - Brasil - CEP 70770-901
Fone: (61) 3448-4433 - Fax: (61) 3347-1041