Imprimir Compartilhe









Comunicar Erro









 
 
 
ÁRVORE DO CONHECIMENTO Uva para Processamento      Equipe editorial Ajuda

Cultivares

Autor(es): Umberto Almeida Camargo

A videira pertence ao gênero Vitis, família Vitaceae. O gênero Vitis é composto por mais de 60 espécies, cuja distribuição geográfica espontânea contempla os continentes asiático, europeu e americano. Na Ásia as espécies distribuem-se desde a Sibéria até a Indonésia, com 29 espécies descritas. No continente americano, com 34 espécies descritas, a ocorrência natural da videira vai desde o Canadá até a Venezuela. Em ambos os casos, Ásia e América, há uma grande diversidade genética, com espécies adaptadas a diferentes condições ambientais. No continente europeu ocorrem apenas duas espécies, Vitis vinífera e Vitis silvestris. Entre as espécies americanas, apenas três apresentam variedades cultivadas: Vitis labrusca, Vitis bourquina e Vitis rotundifolia. Nenhuma cultivar comercial pertence ao grupo das espécies asiáticas.

A espécie mais cultivada no mundo é a Vitis vinifera, apresentando grande número de cultivares, tanto de uvas para vinho como também de uvas de mesa e de uvas para a produção de passas. As cultivares desta espécie também são conhecidas como uvas europeias ou uvas finas. A segunda espécie em importância pela área cultivada no mundo é Vitis labrusca. O número de variedades cultivadas desta espécie limita-se a algumas dezenas. As uvas de V. labrusca são utilizadas para consumo in natura e para processamento, em especial para a elaboração de suco de uva; em alguns países da América e da Ásia também são elaborados vinhos com uvas labruscas. O cultivo de Vitis bourquina limita-se poucas cultivares e está restrito a poucas zonas de cultivo. O número de variedades cultivadas de Vitis rotundifolia também é pequeno, e seu cultivo comercial tem importância apenas no Centro-Sul dos Estados Unidos. As cultivares destas espécies, assim como cultivares híbridas interespecíficas, são todas classificadas, no Brasil, como uvas comuns.


Uvas finas

Aproximadamente 70 cultivares compõem o elenco varietal brasileiro de uvas finas para processamento. As principais cultivares tintas, pelo volume processado, são Cabernet Sauvignon, Merlot, Cabernet Franc, Tannat, Ancellota, Pinot Noir e Egiodola, mais expressivas no sul do país, e as cvs. Syrah e Alicante Bouschet, mais importantes na Região Nordeste. Novas alternativas de uvas tintas, como Tempranillo e Touriga Nacional, entre outras, apresentam recente aumento de área plantada, tanto no Sul como no Nordeste do Brasil.

No caso de uvas finas brancas para processamento, mais de 50 cultivares estão difundidas nos vinhedos do Brasil, destacando-se, no Sul, as cvs Moscato Branco, Riesling Itálico, Chardonnay, Prosecco, Trebbiano, e Moscato Giallo, e, na região Nordeste, as cvs. Chenin Blanc, Moscato Canelli e Itália, esta última também utilizada como uva de mesa.


Uvas comuns

As uvas comuns representam mais de 80% da produção brasileira de uvas para processamento e têm significativa importância também como uvas de mesa. Cerca de 40 cultivares entre labruscas, bourquinas e híbridas interespecíficas compõem o elenco varietal brasileiro. As principais cultivares tintas são Isabel, Bordô, Concord, pertencentes à espécie V. labrusca, com grande aptidão para a elaboração de suco, mas também utilizadas para a produção de vinhos; as cultivares Jacquez, Herbemont e Cynthiana, de V. bourquina, usadas para vinho e suco; e, Couderc Tinto e Seyve Villard Tinto, híbridas interespecíficas, também usadas para a produção de vinhos e suco. As principais uvs comuns brancas destacam-se as culotivares Niágara Branca e Niágara Rosada, ambas V. labrusca, Couderc 13, Moscato Embrapa, BRS Lorena e Seyval, do grupo das híbridas interespecíficas. As cultivares de Vitis labrusca, além de utilizadas pela indústria vitivinícola, também têm importância relevante como uvas de mesa, especialmente a Niágara Rosada e a Isabel.

Diversas novas cultivares de uvas comuns foram desenvolvidas pela Embrapa, especialmente híbridas de Vitis labrusca. Estas cultivares estão em fase de difusão nas diferentes regiões vitícolas do país.

 Foto: Umberto Almeida Camargo Foto: Umberto Almeida Camargo Foto: Umberto Almeida Camargo
     
 Figura 1. Cacho de uva 'Rúbea'. Figura 2. Cacho de uva 'Concord Clone 30'. Figura 3. Cacho de uva 'Moscato Embrapa'.

 

 Foto: Umberto Almeida Camargo Foto: Umberto Almeida Camargo
   
 Figura 4. Cachos de uva 'BRS Cora'. Figura 5. Cachos de uva 'Carmem'.
 Foto: Umberto Almeida Camargo Foto: Umberto Almeida Camargo
   
 Figura 6. Cachos da 'Violeta'. Figura 7. Uvas de 'Isabel Precoce'.

Veja também
Tenha a Agência
EMBRAPA de Informação
Tecnológica no seu site!

Refine sua pesquisa usando a
BUSCA AVANÇADA.

Agência Embrapa de Informação Tecnológica
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA
Todos os direitos reservados, conforme Lei no. 9.610.
EMBRAPA - Parque Estação Biológica - PqEB s/n°    
Brasília, DF - Brasil - CEP 70770-901 | SAC
Fone: (61) 3448-4433 - Fax: (61) 3347-1041