Imprimir Compartilhe









Comunicar Erro









 
 
 
ÁRVORE DO CONHECIMENTO Arroz      Equipe editorial Ajuda

Irrigação e drenagem

Autor(es): Luís Fernando Stone ; Pedro Marques da Silveira ; José Aloísio Alves Moreira

Introdução

O requerimento de água para o cultivo do arroz irrigado depende, principalmente, das condições climáticas, do manejo da cultura, das características físicas do solo, das dimensões e revestimento dos canais, da duração do ciclo da cultivar, da localização da fonte e da profundidade do lençol freático.
A quantidade de água necessária para o cultivo do arroz irrigado por inundação é considerada elevada quando comparada com outras culturas de grão. Isso ocorre porque outros componentes do uso da água, além da evapotranspiração (evaporação da água mais transpiração da planta), são levados em conta, como percolação (infiltração de água no solo) e perdas por fluxo lateral. Quando se considera apenas a evapotranspiração, a eficiência do uso da água pelo arroz, definida como a relação entre a produção do produto comercial pela quantidade de água evapotranspirada, é comparável com a de outros cereais. A produtividade do arroz por unidade de evapotranspiração situa-se ao redor de 1,1 kg/m3, podendo ser tão alta quanto 1,6 kg/m3. Assim, a irrigação deve ser conduzida de maneira a reduzir a fração da água aplicada que não contribui para a formação da produtividade.
A qualidade da água e a sua temperatura, assim como o seu adequado manejo, compreendendo o início da irrigação, a altura da lâmina de água e a drenagem final, são de fundamental importância para o sucesso na produção do arroz irrigado por inundação. A água interfere na disponibilidade de nutrientes, na população e espécies de plantas daninhas e na incidência de algumas pragas e doenças, influenciando no crescimento e desenvolvimento das plantas de arroz.

Necessidade de água

Valores típicos de evapotranspiração de arroz nos trópicos são 4 a 5 mm/d, na estação chuvosa, e 6 a 7 mm/d, na estação seca. Em pequenas lavouras irrigadas, a evapotranspiração pode ser maior, por causa da energia advectiva (trazida até elas por ventos provenientes de áreas não-irrigadas). Na região tropical do país, a maior área de arroz irrigado encontra-se no Estado do Tocantins. Nesse estado, o método de irrigação mais usado é a inundação contínua com lâmina de água estática, tanto nos terrenos regularizados/sistematizados como nas áreas de várzeas úmidas, em que não há controle da água. Poucas propriedades utilizam lâmina de água corrente. A inundação intermitente também é pouco utilizada no estado.
O consumo de água pelas lavouras tocantinenses depende, principalmente, da altura do lençol freático que, por sua vez, depende do nível de água dos rios, o qual é afetado pelo regime de chuvas. Assim, na época em que ocorrem menos precipitações pluviais durante a estação chuvosa, normalmente a partir de janeiro, a dotação de rega requerida é da ordem de 4,0 a 4,5 L/s/ha. Vale lembrar que 4,0 L/s/ha equivalem, aproximadamente, a uma chuva de 35 mm. É necessário, portanto, ajustar o tamanho da área cultivada à possibilidade de fornecimento da dotação de rega requerida no período mais crítico. Em anos em que ocorrem estiagens durante o ciclo da cultura ou a distribuição das chuvas é muito irregular, em muitas propriedades não é possível o fornecimento dessa quantidade de água. Nessas propriedades, especialmente quando esse período coincide com a fase reprodutiva, essa condição favorece a ocorrência de brusone nas panículas. Por outro lado, o excesso de água na lavoura nas fases iniciais de desenvolvimento do arroz prejudica a germinação, afoga as plântulas e inibe o perfilhamento. O excesso de água deve ser retirado da área, no máximo, em 48 horas. Para tanto, deve-se dimensionar o tamanho dos tabuleiros, especialmente em situação de nivelamento total, em que o escoamento horizontal é mais lento.

Qualidade da água

As características da água de irrigação que determinam sua qualidade quanto à salinidade são: concentração total de sais minerais; relação entre o sódio e os outros cátions (móleculas com cargas positivas), concentração de boro e outros elementos; e, sob algumas situações, concentração de bicarbonato em relação à concentração de cálcio e magnésio. Somente a determinação de todos esses fatores permitirá a melhor avaliação da qualidade da água para irrigação. O excesso de sais nas proximidades do sistema radicular reduz o crescimento das plantas, devido a efeitos específicos e não-específicos, os quais, por sua vez, dependem da qualidade e da quantidade dos sais presentes, respectivamente. Os efeitos específicos, ou fisiológicos, são aqueles causados por um desequilíbrio nas concentrações relativas de várias espécies de íons com relação a um outro, enquanto os efeitos não-específicos, ou osmóticos, são causados pela concentração total de sais, indiferente às espécies presentes. Os sintomas mais comuns produzidos pela salinidade, além da redução do crescimento, são a ocorrência de branqueamento nas pontas das folhas, com a consequente morte e, se a planta de arroz estiver próxima da maturidade, a ocorrência de panículas brancas e vazias na época da floração.As cultivares de arroz não toleram irrigação com água salinizada, em nível igual ou superior a 0,25% de NaCl. Águas com esse teor, aplicadas a partir do início da fase reprodutiva, podem determinar reduções superiores a 50% na produtividade. Toda a irrigação deve ser suspensa quando a condutividade elétrica atingir valores iguais ou maiores que 2,0 dS/m.
As diferentes fases de crescimento do arroz apresentam diferenças quanto à tolerância à salinidade. O arroz é muito tolerante à salinidade durante a germinação, mas muito sensível durante o estádio de plântula, ganha tolerância progressivamente durante o perfilhamento, torna-se novamente sensível quando floresce e é tolerante durante o período de maturação do grão.

Temperatura da água

A planta de arroz, desde a fase inicial de irrigação até o início da formação da panícula, é mais afetada pela temperatura da água que pela do ar. Isso ocorre porque as gemas responsáveis pelo desenvolvimento das folhas, perfilhos e panículas permanecem sob a água. À medida que a panícula se desenvolve e ultrapassa o nível da água, a influência da temperatura do ar aumenta e a da água diminui. Na maioria dos casos, essa última é superior à temperatura do ar.
A temperatura da água de irrigação, de um modo geral, não causa problemas nos climas tropicais, exceto quando for excessivamente alta e a água não sofrer processo de renovação. Nesses casos, pode causar danos no início da formação da panícula, reduzindo o seu número, e provocar a podridão-das-raízes.
As temperaturas ótimas da água encontram-se entre 25ºC e 30ºC. Em locais onde foi comprovado o efeito adverso de temperaturas elevadas sobre a produtividade, tem sido observado, ao mesmo tempo, a diminuição da absorção de silício e de potássio, a ocorrência de menor número de perfilhos e de maior porcentagem de grãos chochos. No Estado do Tocantins, a temperatura da água de irrigação do arroz frequentemente alcança valores acima de 35ºC no período das 12:00 as 18:00 h, atingindo índices térmicos de até 52ºC, o que pode reduzir a produtividade, dependendo da cultivar utilizada. O uso de lâmina de água estática dificulta a solução desse problema. Tanto a lâmina de água corrente como a inundação intermitente contribuem para diminuir esse problema.
De maneira geral, a ausência de lâmina de água até a floração reduz esse problema, propiciando maior produtividade de grãos. Entretanto, a inundação intermitente não deve ser usada a partir do início da floração do arroz, pois a ausência de lâmina de água nesse estádio da cultura favorece a ocorrência de brusone nas panículas. A ausência de lâmina de água durante todo o ciclo também aumenta a produtividade, mas reduz a qualidade dos grãos.

Manejo de água

Se não houver umidade suficiente no solo para germinação, a área deve ser irrigada logo após a semeadura, por um período que não exceda 24 horas, sob o perigo de acarretar o apodrecimento da semente. O início da irrigação propriamente dita ocorre de 15 a 20 dias após a emergência das plântulas. Atraso no início da irrigação favorece a ocorrência de brusone nas folhas.
A altura da lâmina de água influencia a produtividade do arroz, sendo ideal, sempre que possível, mantê-la ao redor de 10 cm. Lâminas de água mais profundas reduzem o perfilhamento, predispõem as plantas ao acamamento, aumentam as perdas por evaporação e percolação, embora sejam mais eficientes no controle de plantas daninhas.
A irrigação é necessária, no mínimo, até 20 dias após a emergência da panícula. Logo após esse período, deve-se paralisar a irrigação, o que deve ocorrer de 10 a 15 dias antes da colheita.

Veja também
Tenha a Agência
EMBRAPA de Informação
Tecnológica no seu site!

Refine sua pesquisa usando a
BUSCA AVANÇADA.

Agência Embrapa de Informação Tecnológica
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA
Todos os direitos reservados, conforme Lei no. 9.610.
Política de Privacidade. sac@embrapa.br - 2005-2011
EMBRAPA - Parque Estação Biológica - PqEB s/n??.
Brasília, DF - Brasil - CEP 70770-901
Fone: (61) 3448-4433 - Fax: (61) 3347-1041