Imprimir Compartilhe









Comunicar Erro









 
 
 
ÁRVORE DO CONHECIMENTO Arroz      Equipe editorial Ajuda

Características da planta

Autor(es): Alexandre Bryan Heinemann ; Beatriz da Silveira Pinheiro

 

 

A espécie Oryza sativa é uma monocotiledônea da família das Poaceae. Como tal, caracteriza-se por possuir caules ocos, flores reduzidas de cor verde e aquênios especializados, ou cariopses, como frutos.


Características morfológicas

A morfologia da planta de arroz pode ser descrita da seguinte forma:

Raiz

A raiz seminal, ou radícula, surge da coleorriza logo após o seu aparecimento e é seguida por uma ou duas raízes seminais secundárias, todas elas desenvolvem raízes laterais. Persistem apenas por um curto período de tempo após a germinação e são logo substituídas pelo sistema secundário de raízes adventícias. Estas são produzidas a partir de nós inferiores dos caules jovens. São fibrosas e possuem muitas ramificações e pelos radiculares.


Folha

A folha primária, surgida do coleóptilo, difere das demais por ser cilíndrica e não apresentar lâmina. A segunda folha e as demais são dispostas de forma alternada no colmo e surgem a partir de gemas situadas nos nós. A porção da folha que envolve o colmo denomina-se bainha. A porção pendente da folha é a lâmina. Na junção dessas duas partes situa-se o colar, do qual emergem dois pequenos apêndices em forma de orelha, sendo por essa razão denominados de aurículas, e uma estrutura membranosa em forma de língua, denominada lígula. A partir do colmo principal originam-se de 8 a 14 folhas, conforme o ciclo da cultivar. A última folha a surgir em cada colmo denomina-se folha-bandeira. Os genótipos diferem quanto ao comprimento, largura, ângulo de inserção, pubescência e cor das folhas. Essas características são de grande relevância na caracterização e descrição varietal.

Caule

O caule da planta de arroz é composto por um colmo principal e um número variável de colmos primários e secundários, ou perfilhos. Durante o período vegetativo, um perfilho é visualizado como uma estrutura composta de folhas e gemas axilares. O caule propriamente dito encontra-se na base do perfilho e é visível mediante dissecação, como um conjunto de nós. Somente no período reprodutivo da cultura é que os nós se distanciam devido ao alongamento dos entrenós, o que permite a sua visualização.    As características dos entrenós, tais como comprimento, diâmetro e espessura, determinam a resistência ao acamamento. A cor dos nós e entrenós, o número de perfilhos e o seu ângulo são importantes características de descrição varietal.

Panícula

A inflorescência determinada da planta de arroz denomina-se panícula (Figura 1). Localiza-se sobre o último entrenó do caule, erroneamente considerado um pedúnculo, e é subtendida pela folha-bandeira. É composta pela ráquis principal, que possui nós dos quais saem as ramificações primárias que, por sua vez, dão origem às ramificações secundárias de onde surgem as espiguetas. Estas são formadas por dois pares de brácteas ou glumas. O par inferior é rudimentar e as suas glumas denominadas de estéreis. As glumas do par superior denominam-se pálea e lema e contêm no seu interior a flor propriamente dita, composta por um pistilo e seis estames. O pistilo contém um óvulo. A lema pode ter uma extensão filiforme denominada arista, que é um importante descritor varietal.

Foto: Sebastião Araújo 
Arroz 
Figura 1. Panícula, fase reprodutiva,  em estádio R8 

Grão

É formado pelo ovário fecundado e contém uma única semente aderida às suas paredes, pericarpo, envolvida pela lema e a pálea. Estas, juntamente com as glumas estéreis e estruturas associadas, formam a casca. O grão sem casca denomina-se cariopse. A fenologia do arroz é basicamente composta de duas fases, vegetativa e reprodutiva. A Tabela 1 e as Figuras 2, 3, 4 e 5 comentam e ilustram essas duas fases e os respectivos marcadores fisiológicos.

Tabela 1. Descrição de eventos e marcadores morfológicos relativos às fases e estádios de desenvolvimento da planta de arroz.
marcadoree
 Fonte: Adaptada de COUNCE, P.A.; KEISLING, T.C.; MITCHELL, A.L., A Uniform and adaptative system for expressing rice develoment Crop Science, Madison, 40:436-443. 2000.

Foto: Sebastião Araújo
 Grão beneficiado e graão com casca
Figura 2. Grão beneficiado e grão com casca






V1. Formação do colar a 1ª folha no colmo principalV2. Formação do colar a 2ª folha no colmo principal.V3. Formação do colar a 3ª folha no colmo principal.V4.  Formação do colar da 4ª folha no colmo principal.VN. Formação da n folha(folha-bandeira) no colmo principal.
Figura 3. Fase Vegetativa
Fonte: adaptada de COUNCE, P.A.; KEISLING, T.C.; MITCHELL, A.L., A Uniform and adaptative system for expressing rice develoment Crop Science, Madison, 40:436-443. 2000.






R0. Início do desenvolvimento da panícula.R1. Diferenciação da panícula.R2. Formação do colar da folha-bandeiraR3. Emissão da panícula na bainha, ponta acima do colar.R4. Antese: um ou mais floretes da panícula em antese.

R5. Expansão do grão em comprimento largura: ao menos uma cariopse da panícula do colmo principal apresenta alongamento.
 R6. Expansão do grão em espessura: ao menos uma cariopse da panícula do colmo principal preencheu completamente a casca
R7. Secamento do grão: ao menos
um grão do colmo principal apresenta-se
com pericarpo amarelo
R8. Maturação do grão: ao menos um grão do colmo principal apresenta-se com pericarpo marromR9. Completa maturidade da panícula; todos os grãos apresentam-se com pericarpo marrom
Figura 4. Fase Reprodutiva
Fonte: adaptada de COUNCE, P.A.; KEISLING, T.C.; MITCHELL, A.L., A Uniform and adaptative system for expressing rice develoment Crop Science, Madison, 40:436-443. 2000

fig5
Figura 5. Fases fenológicas do arroz
Fonte: adaptada de COUNCE, P.A.; KEISLING, T.C.; MITCHELL, A.L., A Uniform and adaptative system for expressing rice develoment Crop Science, Madison, 40:436-443. 2000






Veja também
Tenha a Agência
EMBRAPA de Informação
Tecnológica no seu site!

Refine sua pesquisa usando a
BUSCA AVANÇADA.

Agência Embrapa de Informação Tecnológica
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA
Todos os direitos reservados, conforme Lei no. 9.610.
EMBRAPA - Parque Estação Biológica - PqEB s/n°.
Brasília, DF - Brasil - CEP 70770-901 | SAC
Fone: (61) 3448-4433 - Fax: (61) 3347-1041