Link para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
Link para o Portal do Governo Brasileiro

 

Heterose ou Vigor Híbrido

Autor(es):  Rui da Silva Verneque Roberto Luiz Teodoro Mário Luiz Martinez Nilson Milagres Teixeira Ary Ferreira de Freitas Cláudio Nápolis Costa

  Buscar  

 

   Busca Avançada

O objetivo do cruzamento é obter um melhoramento genético rápido, reunindo em um só animal as boas características de duas ou mais raças,  aproveitando-se a heterose ou vigor  híbrido. A heterose é o fenômeno pelo qual os filhos apresentam melhor desempenho (mais vigor ou maior produção) do que a média dos pais. A heterose é mais pronunciada quanto mais divergentes (geneticamente diferentes) forem as raças ou linhagens envolvidas no cruzamento e mais adversas forem as condições de manejo. Existem resultados de pesquisas científicas mostrando heterose para produção de leite variando de 17,3% até 28% nos cruzamentos entre as raças Holandesa e Zebu. A heterose afeta características particulares e não o indivíduo como um todo. A heterose é máxima nos animais F1 ou de ‘primeira cruza’. O F1 reúne as boas características de ambos os progenitores. No caso do cruzamento de uma vaca Gir com um touro Holandês, as fêmeas F1 vão apresentar maior precocidade e maior aptidão leiteira (características típicas do Holandês) do que a Gir, e maior resistência a parasitas externos (ectoparasitas) (Veja Tabela 1 em Vacas Mestiças ), mais tolerância ao calor e maior rusticidade do que o Holandês. A performance (produção) do indivíduo F1 vai depender da qualidade genética dos progenitores (do touro e da vaca). Assim, existem bons e maus animais F1 (ou meio-sangue), refletindo a qualidade genética do touro e da vaca envolvidos no cruzamento. Portanto, é importante utilizar sempre touros provados para leite, sejam eles Europeus ou Zebus.

Até início dos anos 90, a recomendação para se obter F1 era  cruzando vacas Gir com touros Holandeses . Isso porque a população de Gir era grande, a vaca Gir era  relativamente de baixo custo e dispunha-se de touros Holandeses provados para leite, sendo as vacas Holandesas de maior valor. Desde 1993, dispõe-se de touros Gir leiteiro provados para produção de leite. Também, as vacas Holandesas não estão com preço muito elevado, enquanto a população de Gir  diminuiu. Assim, pode-se utilizar tanto o cruzamento de vacas Gir  com touro Holandês, como o cruzamento recíproco, vacas Holandesas com touro Gir. Geneticamente, a qualidade do F1 é a mesma, com o mesmo potencial de produção de leite. Pode haver efeito materno no tamanho dos animais  F1, sendo os filhos das vacas Holandesas maiores. 

  Hiperbólica
 

Pasta de documentos
Adicionar
Visualizar

  Informes
Embrapa Gado de Leite
Topo | Página Inicial | Voltar
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa
Todos os direitos reservados, conforme Lei n° 9.610.
Embrapa
Parque Estação Biológica - PqEB s/n°.
Brasília, DF - Brasil - CEP 70770-901
Fone: (61) 3448-4433 - Fax: (61) 3347-1041