Link para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
Link para o Portal do Governo Brasileiro

 

Nematóides

Autor(es):  Cecília Helena Silvino Prata Ritzinger Dilson da Cunha Costa

  Buscar  

 

   Busca Avançada

Nematoses são causadas por pequenos vermes minúsculos que penetram na raiz da planta, prejudicando a absorção de água e nutrientes do solo que vivem no solo. A presença de nematóides pode ser observada por meio dos sintomas nas raízes e rizoma da bananeira, contudo, deve ser complementada pela análise do material em laboratório de nematologia. Estes vermes, por si só, deslocam-se muito pouco no solo, sendo que sua disseminação é altamente dependente do homem por meio de mudas, ferramentas ou água de irrigação. O nematóide cavernícola (Radopholus similis) ataca as raízes e o rizoma causando extensas necroses, o que deixa a planta muito vulnerável ao tombamento pela ação do vento ou pelo próprio peso do cacho devido à falta de sustentabilidade da planta pelas raízes. As espécies formadoras de galhas (Meloidogyne spp.) induzem à formação de nódulos no sistema radicular, podem prolongar o período vegetativo e diminuir a produção. Outro nematóide de importância econômica, Helicotylenchus multicinctus, contribui para o aumento da severidade das nematoses, principalmente quando associado a outros nematóides pois promove o apodrecimento das raízes e perda de vigor das plantas. O nematóide das lesões, Pratylenchus spp., além de favorecer o escurecimento das raízes por meio de consecutivas lesões na superfície radicular, também favorece o apodrecimento interno das raízes porquanto este verme tem facilidade de penetrar e se locomover dentro do sistema radicular. Desta forma, o conhecimento da sintomatologia de cada um e sua biologia, modo de sobrevivência são importantes na adoção de medidas de controle. Após a introdução de nematóides nos bananais sua eliminação é praticamente impossível, portanto práticas de manejo que favorecem a convivência com este patógeno são as preferidas. As práticas de manejo adotadas são: uso de nematicidas, variedades tolerantes e rotação de cultura na renovação do bananal. A escolha da muda sadia e uma análise nematológica do solo antes do plantio devem ser observadas.

A manifestação dos sintomas causados pelos nematóides ocorrem, geralmente, em reboleiras. O nível de dano nos bananais depende, dentre outros fatores, do nível populacional e da espécie do nematóide; da suscetibilidade da variedade de bananeira cultivada; do manejo cultural utilizado e da sanidade das mudas. No campo, os sintomas de redução do porte da planta, prolongamento do estádio vegetativo, redução do número de raízes, amarelecimento da folhas, diminuição do tamanho e peso dos frutos, tombamento e morte das plantas, geralmente, aparecem quando a população é extremamente elevada.

Alternativas de Manejo Integrado

O conjunto de práticas culturais que favoreçam o melhor desenvolvimento das plantas, como irrigação e nutrição das plantas, desbaste, limpeza do bananal, controle de pragas e doenças, manejo adequado de plantas invasores favorecem sobremaneira o manejo dos nematóides.

Pré-plantio

Leis e quarentenas

Visam impedir a entrada e disseminação de material infectado em área isenta do fitonematóide. Esta medida depende de leis federais ou estaduais que regulam o trânsito de material vegetal.

Mudas certificadas

Deve-se preferir o uso de mudas certificadas, produzidas em viveiros registrados.

Tratamento do material de plantio

Em viveiros, uso de nematicidas registrados na AGROFIT, a limpeza do rizoma acompanhada de termoterapia são algumas das alternativas na dificuldade de se obter mudas micropropagadas.

Medidas fitossanitárias

A visitação nos bananais deve iniciar sempre pela parte mais vigorosa e sadia do bananal. Sempre que possível, é importante trocar as roupas e sapatos usados em áreas infestadas antes de adentrar em outras áreas e utilizar água de irrigação não contaminada, principalmente para evitar a disseminação de outras doenças.

Em viveiros, proceder a lavagem dos equipamentos utilizados nos tratos culturais (capinas, adubação etc.) e desinfestação desses equipamentos com a utilização de solução de formaldeído a 2% em água (20 g/L).

Solarização

Esta técnica consiste em cobrir o solo, antes do plantio com um filme plástico transparente. O calor servirá para eliminar a maior parte dos organismos nocivos às plantas, como nematóides, fungos e bactérias. Pode ser empregada em condições de campo e em cultivo protegido. O solo deve estar úmido, no momento da aplicação do plástico. Esta prática, associada a outros métodos, aumenta a eficiência do controle.

Pousio

Durante a renovação dos bananais, o pousio completo, por um período de seis a um ano, com a destruição, mecânica ou por meio de herbicidas, dos restos culturais do bananal e de toda a vegetação da área promove a redução da população de nematóides. Contudo, nem sempre a manutenção do campo limpo por um período prolongado é permitida devido a declividade do terreno ou ao tipo de solo e por favorecer a erosão.

Inundação

A inundação da área infestada é uma alternativa difícil de ser adotada, pois depende da disponibilidade de água e do tipo de solo. Porém, contribui para a redução da população de fitonematóides.

Rotação de culturas

A rotação de culturas pode afetar a sobrevivência de patógenos de plantas, nematóides, insetos e ácaros. A supressão é devido à quebra do ciclo destes organismos por um determinado tempo, o que dependerá basicamente das condições ambientais, além do nível de infestação e da espécie de praga ou patógeno considerada, bem como da presença de outros hospedeiros na área.

Plantio

Variedades resistentes ou tolerantes

É a medida mais eficaz no controle de nematóides. Existem, entretanto, diferentes graus de suscetibilidade em variedades de bananeira. A maioria das variedades comerciais é suscetível aos principais nematóides que atacam a cultura da bananeira. Contudo, o uso contínuo de uma única variedade resistente numa mesma área pode favorecer a quebra da resistência e deve ser evitado.

Aplicação de nematicidas

O controle químico tem sido método mais prático de controle de nematóides na cultura da bananeira. Porém, sabe-se que o uso indiscriminado de nematicidas, além de onerar a produção, coloca em risco a saúde dos aplicadores, consumidores e pode exercer forte pressão de seleção sobre os organismos presentes no solo, selecionando formas capazes de degradar o ambiente rapidamente. Desta forma, deve-se utilizar somente os produtos indicados e registrados na AGROFIT, obedecendo o critério de aplicação recomendado pelo fabricante.

Adubação orgânica, cobertura do solo e controle biológico

A utilização de matéria orgânica ou resíduos orgânicos em cobertura ou incorporada ao solo, a utilização de plantas antagônicas, como Crotalaria spectabilis e C. paulinea, podem reduzir também a população dos nematóides e favorecer a longevidade da cultura, por promover o desenvolvimento de microrganismos eficientes na redução de nematóides. Contudo, esses resíduos culturais podem também abrigar ou transmitir doenças e pragas a um cultivo subseqüente. Portanto, a época de incorporação de resíduos ao solo e sua compostagem longe da área de plantio são alternativas para contornar esses problemas e necessitam ser mais exploradas.

Desbrota

O excesso de filhotes no bananal enfraquecem a planta-mãe e estimulam a emergência de raízes que podem favorecer a multiplicação dos fitonematóides. Portanto, a condução correta do bananal pode favorecer a longevidade do mesmo


Informações Complementares:

Adicionar à Pasta Nematóides e alternativas de manejo Nematóide cavernícola; Nematóides das lesões; Nematóide espiralado; Nematóide das galhas; Alternativas de manejo integrado; Pré-plantio: leis e quarentenas; Mudas certificadas; Tratamento do material de plantio; Medidas fitossanitárias; Solarização; Pousio; Inundação; Rotação de culturas; Plantio: variedades resistentes ou tolerantes; Aplicação de nematicidas; Adubação orgânica, cobertur Mais Detalhes
  Hiperbólica
 

Pasta de documentos
Adicionar
Visualizar

  Informes
Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical
Topo | Página Inicial | Voltar
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa
Todos os direitos reservados, conforme Lei n° 9.610.
Política de Privacidade. sac@embrapa.br
2005-2007
Embrapa
Parque Estação Biológica - PqEB s/n°.
Brasília, DF - Brasil - CEP 70770-901
Fone: (61) 3448-4433 - Fax: (61) 3347-1041