Link para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
Link para o Portal do Governo Brasileiro

 

Pulgões

Autor(es):  José Roberto Salvadori Paulo Roberto V.S. Pereira

  Buscar  

 

   Busca Avançada

Os pulgões ou afídeos (Hemiptera, Aphididae) são insetos sugadores, que atingiram altas populações na década de 1970, quando severas infestações foram constatadas principalmente das espécies Metopolophium dirhodum (pulgão-da-folha) e Sitobion avenae (pulgão-da-espiga). Além dessas espécies, ocorrem em trigo o pulgão-verde-dos-cereais (Schizaphis graminum), a primeira espécie de pulgão registrada na lavoura de trigo no Brasil, o pulgão-da-aveia (Rhopalosiphum padi), o pulgão-da-raíz (R. rufiabdominale) e o pulgão-do-milho (R. maidis).

Rpadi Sitobion_avenae S_graminum
R. padi. Foto: Paulo Pereira Sitobion avenae. Foto: Paulo Pereira Schizaphis graminum. Foto: Paulo Pereira

Descrição e biologia

Os pulgões são insetos pequenos (1,5 a 3,0 mm), de corpo mole e piriforme, com antenas longas. O aparelho bucal é do tipo picador-sugador e o desenvolvimento paurometabólico. São altamente prolíficos e reproduzem-se por viviparidade e partenogênese telítoca. Vivem sobre a planta em colônias formadas por adultos (fêmeas) alados e ápteros e por ninfas de diferentes tamanhos. As formas de disseminação podem voar centenas de quilômetros com auxílio do vento. Apresentam ciclo de vida muito curto, podendo completar uma geração a cada semana e originar até 10 ninfas/fêmea/dia. Desenvolvem-se e multiplicam-se melhor em temperaturas amenas (18 a 25º C) e em períodos de pouca chuva. O clima frio aumenta a duração do ciclo de vida e diminui a multiplicação.

Ocorrência

O pulgão-verde-dos-cereais e o pulgão-da-aveia podem incidir logo após a emergência da cultura e, à medida que a planta vai crescendo, vão se estabelecendo no colmo e nas folhas mais baixas. O pulgão-da-espiga, embora possa ocorrer em baixa densidade no afilhamento, aparece em maior número nas folhas, junto com o pulgão-da-folha, preferindo se instalar nas espigas. O pulgão-verde-dos-cereais ocorre de modo mais intenso em situações de temperatura média mais elevada, podendo atingir níveis de dano em regiões ou em anos de inverno pouco rigoroso. Na região Sul, a incidência do pulgão-verde-dos-cereais e do pulgão-da-aveia tem sido muito freqüente nos meses de outono, em plantios mais precoces e na cultura de aveia. O pulgão-da-folha e o pulgão-da-espiga ocorrem um pouco mais tarde, sendo que, geralmente, apenas em clima seco e de temperaturas amenas (invernos pouco intensos ou na primavera), podem acontecer pequenos surtos destas duas espécies.

Danos

Pulgões, tanto jovens (ninfas) quanto adultos, alimentam-se de seiva, causando danos ao trigo desde a emergência das plantas até que os grãos estejam completamente formados (estádio de grão em massa). Os danos dos pulgões podem ser ocasionados diretamente, através da sucção da seiva e de suas conseqüências no rendimento de grãos, como diminuição de tamanho, número e peso de grãos. Um dos principais danos indiretos é a transmissão de um agente fitopatogênico que reduz o potencial de produção do trigo, o Vírus do Nanismo Amarelo da Cevada (VNAC). O VNAC sobrevive em diversas espécies hospedeiras e é disseminado de plantas infectadas para sadias, através da saliva do vetor. Em trigo, pode provocar sintomas como nanismo das plantas e folhas de coloração amarela-intensa com bordas arroxeadas, mais curtas e eretas. S. graminum e R. padi provocam um dano adicional, causado pela toxidez da saliva; nos locais picados pelo pulgão ocorrem manchas cloróticas que podem evoluir para necrose do tecido, secamento de folhas e morte de plântulas.

Manejo de pulgões
  Informações básicas sobre manejo de pulgões.

Informações Complementares:

Adicionar à Pasta Controle biológico de pulgões de trigo : o sucesso que perdura Os pulgões ou afídeos que atacam plantas de trigo são insetos que ao se alimentarem ocasionam danos diretos, devido à sucção da seiva, e danos indiretos, pela transmissão de doenças e pela injeção de toxinas. Os pulgões servem de alimento para grande número de insetos e de substrato para desenvolvimento de doenças causadas por microorganismos. Entre os inimigos naturais de pulgões, desta Mais Detalhes
  Hiperbólica
 

Pasta de documentos
Adicionar
Visualizar

   
Topo | Página Inicial | Voltar
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa
Todos os direitos reservados, conforme Lei n° 9.610.
Embrapa
Parque Estação Biológica - PqEB s/n°.
Brasília, DF - Brasil - CEP 70770-901
Fone: (61) 3448-4433 - Fax: (61) 3347-1041