Link para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
Link para o Portal do Governo Brasileiro

 

Campo Rupestre

Autor(es):  José Felipe Ribeiro Bruno Machado Teles Walter

  Buscar  

 

   Busca Avançada

 

VEGETAÇÃO CAMPESTRE

 

CAMPO RUPESTRE

Fotografia demonstrativa do tipo de vegetação Campo Rupestre .

Foto: José Felipe Ribeiro

Principais Características

O Campo Rupestre é um tipo de vegetação predominantemente herbáceo-arbustiva, com a presença eventual de arvoretas pouco desenvolvidas de até dois metros de altura. Abrange um complexo de vegetação que agrupa paisagens em microrrelevos com espécies típicas, ocupando trechos de afloramentos rochosos.Geralmente ocorre em altitudes superiores a 900 metros, ocasionalmente a partir de 700 metros, em áreas onde há ventos constantes e variações extremas de temperatura, com dias quentes e noites frias.

Este tipo de vegetação ocorre geralmente em solos ácidos, pobres em nutrientes ou nas frestas dos afloramentos rochosos. Na Chapada Diamantina, por exemplo, estes solos são originados da decomposição dos minerais quartzito, arenito ou itacolomito, cujo material decomposto permanece nas frestas dos afloramentos rochosos, ou pode ser carregado para locais mais baixos ou então forma depósitos de areia quando o relevo permite. Em Catolés, nesta mesma Chapada, esse tipo de vegetação restringe-se aos substratos arenosos ou pedregosos com afloramentos rochosos. Em geral, a disponibilidade de água no solo é restrita, pois as águas pluviais escoam rapidamente para os rios, devido à pouca profundidade e reduzida capacidade de retenção do solo.

A composição da flora em áreas de Campo Rupestre pode variar muito em poucos metros de distância, e a densidade das espécies depende do substrato, da profundidade e fertilidade do solo, da disponibilidade de água, da posição topográfica, etc. Nos afloramentos rochosos, por exemplo, as árvores concentram-se nas fendas das rochas, onde a densidade pode ser muito variável. Há locais em que os arbustos praticamente dominam a paisagem, enquanto em outros a flora herbácea predomina. Também são comuns agrupamentos de uma única espécie, cuja presença é condicionada, entre outros fatores, pela umidade disponível no solo. Algumas espécies podem crescer diretamente sobre as rochas (rupícolas), sem que haja solo, como ocorre com algumas Aráceas e Orquidáceas.

Pela dependência das condições restritivas do solo e do clima peculiar, a flora é típica, contendo muitos endemismos (espécies com ocorrência restrita a determinados locais) e plantas raras. Entre as espécies comuns há inúmeras características xeromórficas (presença de estruturas que diminuem a perda de água), tais como folhas pequenas, espessadas e com textura de couro (coriáceas), além de folhas com disposição opostas cruzadas, determinando uma coluna quadrangular escamosa.

Espécies mais freqüentes

As espécies mais freqüentes pertencem às seguintes famílias e gêneros: Asteraceae (Baccharis, Calea, Lychnophora, Wunderlichia e Vernoniasensu lato), Bromeliaceae (Dyckia, Tillandsia), Cactaceae (Melocactus, Pilosocereus), Cyperaceae (Bulbostylis, Rhynchospora), Eriocaulaceae (Eriocaulon, Leiothrix, Paepalanthus, Syngonanthus), Gentianaceae (Curtia, Irlbachia), Iridaceae (Sisyrinchium, Trimezia), Labiatae (Eriope, Hyptis), Leguminosae (Calliandra, Chamaecrista, Galactia, Mimosa), Lentibulariaceae (Genlisea, Utricularia), Lythraceae (Cuphea, Diplusodon), Melastomataceae (Cambessedesia, Miconia, Microlicia), Myrtaceae (Myrcia), Orchidaceae (Cleistes, Cyrtopodium, Epidendrum, Habenaria, Koellensteinia, Pelexia), Poaceae (Aristida, Axonopus, Panicum, Mesosetum, Paspalum, Trachypogon), Rubiaceae (Chiococca, Declieuxia), Velloziaceae (Barbacenia, Vellozia), Vochysiaceae (Qualea) e Xyridaceae (Xyris). Pode-se considerar Vellozia como bom indicador desse tipo fitofisionômico (Harley, 1995), embora espécies desse gênero ocorram em outras formações campestres e savânicas do bioma Cerrado. Sobre endemismos, por serem freqüentemente muito restritos, é necessário consultar trabalhos específicos.

Ilustração

Diagrama de perfil (1) e cobertura arbórea (2) de um Campo Rupestre representando uma faixa de 40 m de comprimento por 10 m de largura. (Notar a vegetação nascendo entre as rochas).

Ilustração: Wellington Cavalcante


Informações Complementares:

Adicionar à Pasta Fitossociologia de uma área de cerrado rupestre na Fazenda Sucupira, Brasília-DF Objetivou-se com este trabalho analisar a composição fitossociológica de um fragmento de Cerrado rupestre localizado na Fazenda Sucupira, Brasília, DF, que vem sofrendo constante pressão urbana e agrícola. Foram amostradas de forma aleatória dez parcelas de 20 x 50 m (1000 m2) na área, sendo cinco delas alocadas em área de encosta e as outras cinco em área de topo. Todos os indivíduos le Mais Detalhes

Adicionar à Pasta Solos e vegetação nos complexos rupestres de altitude da Mantiqueira e do Espinhaço Complexos Rupestres de Altitude compreendem biomas singulares que ocorrem nas cimeiras das principais cadeias montanhosas do Brasil. Diferem-se dos biomas dominantes pelas características dos solos e da biota, apresentando altas taxas de diversidade e endemismos. A vegetação apresenta adaptações às condições adversas do solo e ao fogo. Os solos são rasos, arenosos, oligotróficos e ricos Mais Detalhes
  Hiperbólica
 

Pasta de documentos
Adicionar
Visualizar

  Informes
Embrapa Cerrados
Cerrado Brasil
Topo | Página Inicial | Voltar
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa
Todos os direitos reservados, conforme Lei n° 9.610.
Embrapa
Parque Estação Biológica - PqEB s/n°.
Brasília, DF - Brasil - CEP 70770-901
Fone: (61) 3448-4433 - Fax: (61) 3347-1041